domingo, 14 de junho de 2009

A Mulher que Amou Demais

Na noite de 28 de Outubro 1949, o avião da Air France, linha Paris – Nova Iorque, despenhou-se no Pico da Vara, em S.Miguel. Era o primeiro acidente registado pela Air France após duas mil travessias no Atlântico, matou 48 passageiros, entre os quais a célebre violinista Ginette Neveu, e o famoso pugilista Marcel Cerdan.
Cerdan com 33 anos, considerado o grande amor da vida de Édith Piaf, cantado em temas como Hymne À L’Amour e Mon Dieu, após o trágico falecimento do seu amor imortal, a cantora afastou-se da vida pública.
Com o sucesso, os homens entraram em força na vida de Piaf. A lista das paixões é longa e há quem diga que a autora de Vie en Rose, amou mais em 47 anos, do que a maioria das pessoas numa vida inteira. Os seus biógrafos afirmam mesmo, que a sua paixão pelo pugilista, pudesse desvanecer-se como as demais, tivesse ele continuado vivo.
Correspondência inédita da cantora para o ciclista Louis Gérardin ( várias vezes campeão de França), vai ser leiloada pela Christie’s, em Paris, revelando mais uma paixão, da mulher que viveu como amou: muito depressa e ardentemente.
“ meu amor azul, a nossa primeira separação(…). Queria dizer-te que nunca nenhum homem me preencheu tanto como tu, parece que estou a fazer amor pela primeira vez.”
As suas cartas sempre grandes declarações de amor, apaixonava-se, amava, intensa e insensatamente. Je ne regrette rien.

2 comentários:

julia disse...

Vejam a curta metragem Constellation 479 feita nos Açores. Aborda o tema pela rama.

Helena disse...

Ok Julia obrigada pela sugestão.
Helena